E-mail


Senha

Lembrar senha

   
Informe o e-mail usado para fazer o login


   



Pesquisa




Profissionais brasileiros estão entre os mais afetados pelo aumento das despesas com alimentos, combustíveis e contas básicas de consumo, revela pesquisa Page Outsourcing
Enviar release
Este release no seu Blog ou Site



Profissionais brasileiros estão entre os mais afetados pelo aumento das despesas com alimentos, combustíveis e contas básicas de consumo, revela pesquisa Page Outsourcing


Apesar da alta no custo de vida, respondentes do Brasil foram os que menos buscaram aumento salarial


Os profissionais do Brasil estão entre os mais afetados pelo aumento das despesas com alimentos, combustíveis e contas básicas de consumos como água, luz e gás na América Latina. É o que aponta levantamento da Page Outsourcing, consultoria especializada em RPOs, projetos de recrutamento e seleção especializado em volume, parte do PageGroup no Brasil. De acordo com a pesquisa, a alta do preço dos combustíveis afetou diretamente mais da metade dos brasileiros (55,8%), indicador um pouco abaixo do Panamá, que lidera o quesito com 57,1%. Na sequência vêm México (52,4%), Colômbia (49,2%), Peru (49,1%), Chile (45,3%) e Argentina (26,1%).



No caso do preço dos alimentos, o Brasil foi o país mais afetado. Segundo o estudo, 79,3% dos brasileiros foram atingidos pela alta nos supermercados, seguidos pela Colômbia (78,1%), Panamá (77,1%), México (75,1%), Peru e Argentina (73,2%, cada) e Chile (73,1).



As despesas com contas básicas de consumo (água luz, telefone) também causaram um impacto considerável nas despesas dos respondentes brasileiros do levantamento. O país ficou em segundo lugar (48,1%), logo abaixo do Panamá, que liderou com 57,1%. Os demais países aparecem mais atrás, como Colômbia (44,2%), Peru (40,5%), Argentina (32,6%), México (32,5%) e Chile (26,9%).



“O aumento do custo de vida impacta diretamente a rotina dos profissionais no mercado de trabalho. É comum que diante desse cenário as pessoas fiquem mais atentas às oportunidades que ofereçam melhores salários e benefícios. Esse pacote pode suprir ou aliviar o impacto da alta dos preços desses profissionais e trazer mais estabilidade em seu ciclo produtivo”, afirma Letícia Valente, diretora da Page Outsourcing.  



Os dados fazem parte de um levantamento realizado de março a julho de 2023, contando com a participação de 8.176 profissionais da América Latina (Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, México, Peru e Panamá). A pesquisa abordou temas relacionados ao mercado de trabalho, inflação e remuneração. Teve como objetivo entender o impacto da inflação na carreira dos profissionais da região. 


Negociações salariais



Apesar dos profissionais brasileiros serem um dos mais impactados pelo aumento do custo de vida na América Latina, foram os que menos buscaram um aumento salarial. Segundo o levantamento, 34,8% dos respondentes do Brasil afirmaram que não partiram para negociações salariais. Os dados contrastam com o de outros países, onde a parcela daqueles que não buscaram um aumento foi bem menor: Panamá, Argentina e Chile (17,8%, cada), México (13,4%), Colômbia (13%) e Peru (11,5%). 



Um dos fatores que ajuda a explicar o freio nas negociações é de que os profissionais brasileiros foram os que mais constataram aumento salarial já acompanhado da taxa de inflação na região (30%). Os respondentes do Panamá (27,5%), Argentina (27,4%), Colômbia (23,4%), Chile (22,9%), México (18,3%) e Peru (12,4%) apareceram nesta sequência.  



“Quando há uma reposição da inflação no salário, o poder aquisitivo do trabalhador fica mantido. Essa política ajuda a valorizar e reter talentos. Os colaboradores tendem a se sentirem mais motivados quando percebem que sua remuneração está impactando em conquistas pessoais”, comenta a especialista. 


Perspectiva otimista

Quase metade dos respondentes brasileiros (45,3%) acreditam em um aumento salarial no mesmo nível da inflação no próximo ano. O México aparece logo atrás com 40,9%. Na sequência vêm os profissionais da Colômbia (38,8%), Chile (36,2%), Peru (35,6%), Argentina (30,9%) e Panamá (24,4%).

  

“Observamos que os brasileiros são os que menos temem o aumento no custo de vida nos próximos meses, muito pela recomposição salarial adotada pelas empresas, gerando uma perspectiva de otimismo e de estabilidade financeira no curto e médio prazo”, conclui Letícia Valente.  



Sobre a Page Outsourcing  

  
Parte do PageGroup, a Page Outsourcing é a divisão especializada em RPOs (terceirização de processo de recrutamento), projetos de recrutamento e seleção e consultoria de capital humano, com pesquisas salariais, assessments e mais.



Com uma gama soluções para Recursos Humanos, o PageGroup é um grupo inglês listado na bolsa de valores de Londres e está presente em 37 países. Atualmente, seus mais de 9 mil colaboradores atuam em diferentes culturas e mercados, o que contribui para seu conhecimento em 3 esferas: global, regional e local. Os consultores, distribuídos por todo o país em nossos cinco escritórios (São Paulo, Campinas, Rio de Janeiro, Curitiba e Recife), já foram responsáveis pela contratação de mais de 40 mil profissionais no Brasil desde 2001.


   
INFORMAÇÕES DE IMPRENSA  
  
Conteúdo Comunicação  

  
Ricardo Morato (ricardo.morato@conteudonet.com)  

Cel. (11) 98799-5868  

  

Carol Freitas (carol.freitas@conteudonet.com)  

Cel. (11) 99196-3890  

Editorias: Economia  Industria  Negócios  Serviços  Recursos Humanos  
Tipo: Pauta  Data Publicação:
Fonte do release
Empresa: Vinicius Pereira  
Contato: Vinicius Pereira Santos  
Telefone: --

Envie um e-mail para o(a) responsável pela notícia acima:
Seu nome

Seu e-mail

Mensagem

Digite o código mostrado abaixo

  
Skype:
MSN:
Twitter:
Facebook:
Copyright 2008 - DIFUNDIR - Todos os direitos reservados. Não é permitida a reprodução deste conteúdo sem prévia autorização.