Artigo - Saúde sexual e educação sexual - duas faces de uma mesma solução
Lelah Monteiro, sexóloga, psicanalista e fisioterapeuta. Créditos: Carolina Morales.

>> 04 de Setembro - Dia Mundial da Saúde Sexual

Você já parou pra pensar na importância que o sexo tem na vida das pessoas? Para além das respostas óbvias - sim, a gente sabe que é gostoso - há muitos outros aspectos que não podem ser esquecidos.

Pra começar (e sem me aprofundar muito), entre os benefícios que o sexo traz para a saúde física e mental, podemos citar:
- redução do cortisol, que é o hormônio responsável pelo aumento do estresse e da ansiedade;
- liberação da ocitocina e da dopamina, que melhoram o humor e a sensação de felicidade;
- liberação da endorfina, que relaxa e alivia as dores dos músculos tensionados pela pressão que vivemos no dia a dia (o orgasmo é uma espécie de "analgésico"); e
- liberação da prolactina, que nos ajuda a ter um sono melhor.

Além disso: faz bem para o coração; fortalece o sistema imunológico; diminui os riscos de câncer de próstata, aumenta a autoestima etc. E eu nem mencionei aí as questões relacionadas à reprodução humana!

Ou seja, ter uma saúde sexual de boa qualidade colabora - e muito - para ter uma saúde integral de boa qualidade.

Com todos esses pontos positivos, é mais do que justificada a iniciativa da WAS – World Association for Sexual Health de ter instituído o dia 04 de Setembro como o Dia Mundial da Saúde Sexual, que comemoramos hoje. A entidade quis, com isso, por em prática sua missão de "promover e defender a saúde sexual e os direitos sexuais ao longo da vida e em todo o mundo, avançando no campo da sexologia; pesquisa de sexualidade; educação sexual abrangente; e atendimento e serviços clínicos, todos respaldados por evidências e investigação científica".

>> Mas, o que é mesmo "saúde sexual"?

Quando falamos em saúde sexual não estamos pensando apenas em possíveis doenças ou disfunções. Estamos indo além, englobando os aspectos físico, emocional, mental e social da sexualidade. De como a sexualidade deve ser vivida - plenamente, com alegria, prazer, segurança e sem discriminação. E também com responsabilidade, claro.

>> A educação sexual de hoje é que define a saúde sexual de amanhã

O alerta vermelho da saúde sexual começa a acender quando:
- as pessoas, por motivos éticos, morais ou religiosos, são impedidas de ter acesso à educação sexual para conhecerem seu próprio corpo e aprenderem a cuidar dele;
- as pessoas são levadas a ter vergonha do corpo e de sentir desejo;
- não há acesso facilitado aos métodos contraceptivos e para um sexo seguro, que afaste os riscos de contrair ISTs e AIDs; e
- as pessoas não são ensinadas a conviver com a diferença;
- os direitos das pessoas são desrespeitados ou limitados por qualquer aspecto relacionado à sua sexualidade.

Daí, resultam consequências de ordem física e psicológica que incluem:
- bloqueios, medo de se relacionar e disfunções sexuais (ausência de desejo, dificuldade de sentir prazer etc.) ;
- não aceitação do próprio corpo e da própria sexualidade;
- não aceitação da sexualidade do outro, gerando desrespeito e discriminação com base em gênero ou orientação sexual;
- negligência com a realização dos exames de rotina a que mulheres e homens devem se submeter para prevenir várias doenças, como o câncer de mama, de colo de útero, de próstata, HPV etc.
- contaminação por infecções sexualmente transmissíveis (ISTs) e AIDs;
- gravidez precoce e/ou indesejada;
- criação / aprisionamento em padrões de relacionamento tóxicos; e
- frustração, estresse, ansiedade, depressão.
Encerro a lista aqui, mas ela poderia ir muito mais longe.

>> As pessoas perdem, a sociedade como um todo perde

Recebo em meu consultório pacientes que, devido a uma educação que negligenciou a sexualidade, buscam auxílio da terapia para viver plenamente esse aspecto de suas vidas. Com um pouco de trabalho, conseguirão encontrar seu caminho.

Porém, o descaso com a educação sexual penaliza não só o indivíduo, mas a coletividade. Basta acessar os portais de notícias: a cada dia, as manchetes gritam - casos de abuso sexual e violência contra a mulher; episódios de homo e transfobia, crescimento da gravidez entre adolescentes; e por aí vai.

A pandemia de COVID-19 veio trazer mais um ingrediente a esse cenário. Mas vamos deixar isso para outro artigo, ok?

Lelah Monteiro


>> Sobre a autora: Lelah Monteiro é sexóloga, psicanalista e fisioterapeuta (www.lelahmonteiro.com.br). Atua em seu consultório em Perdizes (São Paulo, SP) como educadora sexual; terapeuta de casais, de família e sexual. Colunista e colaboradora de revistas, programas de rádio e TV com pautas relacionadas a comportamento, relacionamento, saúde, qualidade de vida e sexualidade. Atualmente comanda o quadro Sexpresso, todas as sextas-feiras, a partir das 13h, no programa Expresso Capital, na Rádio Capital AM.

Editorias: Feminina  Masculino  GLTB  Saúde  Terceira idade  
Tipo: Pauta  Data Publicação: 04/09/20
Tags:
Informações para contato
Empresa: Presença Propaganda  
Contato: Jennifer Monteiro  
Telefone: 011-38720173-

E-mail: imprensa@presenca.com.br
Skype:
MSN: