E-mail


Senha

Lembrar senha

   
Informe o e-mail usado para fazer o login


   



Pesquisa




É possível forjar um transtorno mental? Como isso funciona na dependência química?
Enviar release
Este release no seu Blog ou Site

Ao contrário de uma patologia comum ou alguma fratura no corpo, um transtorno mental somente é diagnosticado a partir do comportamento e dos relatos do paciente, e não por um exame físico. Não existe um exame específico, do tipo: raio-X para esquizofrenia, tomografia para transtorno de personalidade.
Porém, na prática, para enganar um psiquiatra o indivíduo deve ter um dom extraordinário de atuação, é realmente muito difícil enganar um bom profissional.
Através de uma entrevista longa o psiquiatra consegue detectar se o paciente tem comportamento incoerente com as descrições.
Por exemplo, no caso de uma esquizofrenia o que confirma o diagnóstico da doença não são vozes imaginárias ou pensamentos estranhos, mas a forma como a pessoa se vincula afetivamente com os outros.
Quando a pessoa tenta forjar sintomas como alucinações, torna-se até mais fácil de se detectar a incoerência, pois ela tente a adotar comportamentos bizarros para se tornar mais convincente, o que acaba denunciando a “atuação”;
A pessoa que tenta forjar um transtorno menta tenta se esforçar para parecer doente e tentar assumir o controle da entrevista, enquanto pacientes genuínos geralmente relutam em discutir seus sintomas.
E por que uma pessoa poderia ter algum interesse em fingir ter um transtorno mental?
De acordo com pesquisa realizadas em 2015 pela Universidade de Paraíba por profissionais graduados em psicologia afirma-se que, na maioria das vezes, pessoas fingem problemas mentais para obterem ganhos inseridos em diversos contextos, desde situações do dia-dia até processos cíveis e criminais. *
O mais comum, nesse caso, é a busca por inimputabilidade criminal. A pessoa finge para não assumir as penalidades de um crime. No entanto, quem finge geralmente acaba tendo algum “tropeço” do tipo: inventa alucinações e delírios, que normalmente são muito diferentes dos legítimos e ignora sintomas menos cinematográficos, como a apatia e o achatamento de emoções.
Outro motivo pelo qual as pessoas podem também tentar fingir algum transtorno é para conseguir aposentadoria por invalidez, auxílio-doença. No entanto, ao fingirem acabam exagerando tanto alguns sintomas que, se fossem reais, não teriam permitido sequer que estas pessoas chegassem até o local para a perícia.
Como esta questão funciona na dependência química?
Na opinião do terapeuta especialista em dependência química, José Carlos Marcondes Arantes: “é praticamente impossível o dependente químico fingir ter outro transtorno. Ele já tem a doença principal, que acaba exacerbando qualquer outra. O médico (ou qualquer outro profissional que esteja investigando a doença) deve observar muito bem os códigos (principalmente os não verbais) do paciente até conseguir diagnosticar qualquer possível comorbidade que o dependente químico possa ter”.
A própria dependência química acaba confundindo outros tipos de transtorno. As vezes alguns médicos (que não estejam tão familiarizados com o tratamento da dependência química) podem não perceber que, durante a abstinência do paciente dependente químico, algumas características de outros transtornos mentais podem surgir, como, por exemplo: alucinações, delírios, depressão profunda etc.
“Estes sintomas mais críticos podem, muitas vezes, desaparecer depois do período mais agudo de abstinência, por isso é muito importante que o paciente esteja sendo tratado por especialistas no assunto - pois podem surgir diagnósticos incorretos”, comenta Sergio Castillo, psicólogo e especialista em dependência química, responsável pela Clínica Grand House, centro de tratamento para dependência química e suas comorbidades, com mais de 20 anos de experiência na área.
Saiba mais sobre este tema e outros relacionados ao tratamento da dependência química: http://www.grandhouse.com.br

*Fonte: Estudo “Simulação de sintomas e transtornos mentais: uma revisão crítica do fenômeno para a psicologia” – Universidade da Paraíba, autoria: Rodrigues, Diego Bezerra; Freitas, Géssica Almeida de; Farias, Arethusa Eire Moreira de; Amorim-Gaudêncio, Carmen. 02/10/2015 - https://pesquisa.bvsalud.org/

Editorias: Jurídica  Religião e Espiritualidade  Saúde  Sociedade  Terceiro Setor  
Tipo: Pauta  Data Publicação:
Fonte do release
Empresa: Clínica Grand House  
Contato: Simone O. Castillo Morais  
Telefone: 11-994692611-

Envie um e-mail para o(a) responsável pela notícia acima:
Seu nome

Seu e-mail

Mensagem

Digite o código mostrado abaixo

  
Skype:
MSN:
Twitter:
Facebook:
Eventos
Copyright 2008 - DIFUNDIR - Todos os direitos reservados. Não é permitida a reprodução deste conteúdo sem prévia autorização.