E-mail


Senha

Lembrar senha

   
Informe o e-mail usado para fazer o login


   



Pesquisa




Retomada das cirurgias em meio à pandemia permitiu rara reconstrução de ombro em São Paulo
Enviar release
Este release no seu Blog ou Site

Pelo Dr. Rômulo Brasil Filho, ortopedista do Hospital Santa Catarina (SP)

Nada mais natural que, em meio à pandemia, os hospitais e profissionais de saúde tenham precisado de alguns meses para atender os casos prioritários, reorganizar as rotinas e voltar as atenções para pacientes de outras especialidades. No início do ano, não havia como prever a rápida explosão dos casos no Brasil, e pior, que os números seguiriam em patamares tão elevados por tanto tempo. Menos ainda, que o distanciamento imposto pelo vírus geraria tantas restrições na vida diária, seja no trabalho, em casa ou nos hábitos saudáveis, como os exercícios físicos.

Muita gente que era ativa precisou interromper o cuidado com o condicionamento. Entre os meus pacientes, estimo que apenas 20% dos que treinavam ainda o fazem no mesmo nível de intensidade ou frequência. Alguns se exercitam mais, mas com intensidade menor, por não terem os aparelhos ou o espaço adequado, correndo risco de lesão secundaria em tendões e músculos. Com a reabertura de parques e academias em São Paulo, também há perigo para quem tentar voltar ao mesmo ritmo de antes à força, sem o preparo adequado. Entre os idosos, ainda há um risco a mais: devido à baixa exposição ao sol e a restrição de caminhadas, cresce a incidência de osteoporose, aumentando a chance de fraturas.

Nos primeiros meses da pandemia, médicos e pacientes, com o receio natural de contraírem o vírus, optaram por alterar as datas de consultas e procedimentos não urgentes, atrasando assim todo o tratamento médico. No hospital em que trabalho, o impacto na redução dos atendimentos ortopédicos foi de 60%, em média, entre os meses de março e julho.

A vantagem é que, agora, nas cidades em que a situação não é mais crítica, os hospitais já podem oferecer um fluxo seguro para seguir com os tratamentos, exames de rotina, avaliações e acompanhamentos, e até ações cirúrgicas de grande porte. Algumas medidas possíveis são oferecer orientações aos pacientes por telefone, testagem pré operatória e medicação em regime drive-thru no estacionamento do hospital e andares exclusivos para pacientes que vão operar. Isso, claro, além do distanciamento nos agendamentos e nas salas de espera, e todas as precauções de higiene já rotineiras nesses ambientes.

Dessa forma, recentemente, foi possível realizar um procedimento complexo e raro no Brasil: a reconstrução do úmero proximal com prótese reversa, associada a aloenxerto de banco de tecidos. Para simplificar, trata-se de uma reconstrução óssea na região do ombro, com objetivo de restaurar o comprimento do membro, melhorar o posicionamento da articulação e, assim, diminuir os incômodos e gerar ganho de movimentos do ombro. A cirurgia chegou a ser suspensa por três meses devido à pandemia, o que gerou piora da dor e grande limitação para as atividades habituais da paciente.

A paciente também apresentava tumor ósseo do úmero esquerdo, condição que foi operada previamente. O tumor, que comprometia toda a parte superior do membro responsável pela articulação do ombro, foi ressecado e substituído na ocasião por uma endoprótese parcial. A grande novidade foi a troca desta prótese por um osso humano, captado via Banco de Tecidos de São Paulo, instituição ligada à Santa Casa de São Paulo e à Faculdade de Medicina da USP, que faz o processamento do osso e todos os testes de preparo, tornando-o apropriado para ser utilizado com segurança em um novo receptor.

Normalmente, essa técnica é utilizada em perdas ósseas, como resseções de tumores ósseos e sequelas de fratura. No entanto, quando existe a falha óssea na parte proximal do úmero, aumenta muito o desafio, pois é nesta região que o osso articula com a escápula, gerando os movimentos que conhecemos do nosso ombro. Esse tipo de procedimento já é comumente realizado em grandes serviços internacionais de cirurgia de ombro, principalmente nos Estados Unidos, e em alguns serviços universitários nacionais, mas é bastante inovador para um hospital privado.

A evolução da medicina nos mostra que, mesmo em meio a uma crise global de saúde como não se via há décadas, tratamentos e procedimentos complexos podem ser feitos com todo o cuidado que o momento merece. A retomada deve ser gradual e seguir uma série de barreiras de segurança que os hospitais certamente sabem aplicar, mas ela é essencial especialmente para pacientes que dependem de medicamentos de uso contínuo ou de cirurgias. Continuem conversando com seus médicos, porque estamos dispostos a encontrar a melhor forma de solucionar o seu problema.

Editorias: Ciência e Tecnologia  Estética e Beleza  Saúde  Terceira idade  
Tipo: Artigo  Data Publicação:
Fonte do release
Empresa: Rafael de Paula Teixeira  
Contato: Rafael Teixeira  
Telefone: 11-993803668-

Envie um e-mail para o(a) responsável pela notícia acima:
Seu nome

Seu e-mail

Mensagem

Digite o código mostrado abaixo

  
Skype:
MSN:
Twitter:
Facebook:
Eventos
Copyright 2008 - DIFUNDIR - Todos os direitos reservados. Não é permitida a reprodução deste conteúdo sem prévia autorização.