E-mail


Senha

Lembrar senha

   
Informe o e-mail usado para fazer o login


   



Pesquisa




Setembro amarelo pede atenção aos afetos
Enviar release
Este release no seu Blog ou Site
Pandemia requer distanciamento geográfico e aproximação afetiva
Pandemia requer distanciamento geográfico e aproximação afetiva

A pandemia tirou o ser humano da zona de conforto e exigiu novos hábitos. O isolamento foi um dos pontos que mexeu intensamente com as pessoas neste período e causou muitas controvérsias – seja pela questão emocional, nas práticas do dia a dia ou na área econômica. O ser humano é um ser social e, da noite para o dia, precisou se reestruturar e readequar hábitos que são inerentes como a socialização.

“É necessário acompanhar com bastante atenção os reflexos do isolamento na população, uma vez que a diminuição dos contatos sociais, medo e inseguranças diversas decorrentes do atual cenário podem ser bastante impactantes e nem todos tiveram as condições, habilidades e a maturidade para trabalhar as emoções causadas pelas mudanças ocorridas neste período”, explica o professor Guilherme Alcântara Ramos, mestre em Psicologia, coordenador de equipes de projetos psicopedagógicos e do Núcleo de Atendimento Psicopedagógico do Centro Universitário UniCuritiba.

Segundo ele, um dos pontos a se atentar é que a superação do momento de pandemia pede e requer o chamado “isolamento social geográfico”, mas não o “isolamento afetivo”. “Existe uma distância bem grande entre um distanciamento e outro. Nossa orientação é para que as pessoas encurtem distâncias, aproveitando o que a tecnologia tem de melhor e estimulem os afetos”, ressalta.

De acordo com o coordenador, o fato das visitas e festas não estarem liberadas para evitar aglomerações não invalida a criatividade. Pelo contrário, ela precisa ser estimulada e colocada em prática, em prol do bem comum. Assim, vale organizar festa de aniversário online, happy hour, confraternização, encontros virtuais que sejam de descontração e não remetam apenas às questões de trabalho. “Fisicamente as pessoas não estão no mesmo espaço, mas quando se conectam, elas se reabastecem e reforçam o vínculo emocional - o que é extremamente benéfico e necessário”, explica.

Pontos de atenção

Uma pesquisa da Organização Mundial da Saúde (OMS) de 2017 destaca que, no Brasil, entre os jovens de 15 a 19 anos, o suicídio é um dos maiores motivos de morte, ficando atrás apenas da violência interpessoal e dos acidentes de trânsito.

Outro estudo recente da OMS também demonstra que a ansiedade, por exemplo, atinge mais de 260 milhões de pessoas no mundo. O Brasil, em 2019, era o país com o maior número de pessoas ansiosas: 9,3% da população. “Embora sejam do ano passado, os números da pesquisa deixam claro que 86% dos brasileiros sofrem com algum transtorno mental como ansiedade e depressão”, analisa o professor.

Ramos enfatiza que, neste momento, o mês de setembro - já tradicional pelas campanhas de prevenção à saúde mental e combate ao chamado autoextermínio - vem justamente ressaltar a importância dos afetos. “Também é um chamado para que você exercite a sensibilidade e olhe com atenção para quem está do outro lado da tela. Será que meu colega está bem, como ele tem administrado as emoções neste período?”, ilustra.

O coordenador do Núcleo de Atendimento Psicopedagógico do Centro Universitário UniCuritiba esclarece que os problemas mentais não significam uma fraqueza nata, mas são fruto de uma conjuntura. “Insônia, tristeza constante, ideias de morte, isolamento voluntário e alternâncias de humor são coisas que precisam de diálogo a respeito e devem ser levadas a sério”.

“Os cuidados com a saúde mental valem para todos – sejam adultos, crianças ou idosos. Não tenha medo ou vergonha de procurar ajuda – para si ou para alguém que você conhece”, reforça.

Centro de Apoio

Um dos centros de apoio emocional mais atuantes no Brasil é o Centro de Valorização da Vida (CVV). Nele existe o serviço de escuta 24 horas por dia. Basta ligar para 188 e solicitar o atendimento. O serviço também está disponível via internet pelo http://www.cvv.org.br, e-mail, chat e Skype.

O Centro Universitário UniCuritiba também dispõe de um Núcleo de Acessibilidade e Apoio Psicopedagógico (NAAP) voltado, neste momento, ao atendimento da comunidade acadêmica. O objetivo é trazer um suporte aos estudantes que precisam de algum tipo de auxílio a fim de melhorar o processo de aprendizagem.

Editorias: Educação  Feminina  Recursos Humanos  Saúde  Terceira idade  
Tipo: Evento  Data Publicação:
Local a ser realizado: Curitiba  Data a ser realizado: 10/09/20
Fonte do release
Empresa: Marlise G Mem  
Contato: Marlise G Mem  
Telefone: 41-999080511-

Envie um e-mail para o(a) responsável pela notícia acima:
Seu nome

Seu e-mail

Mensagem

Digite o código mostrado abaixo

  
Skype:
MSN:
Twitter:
Facebook:
Eventos
Copyright 2008 - DIFUNDIR - Todos os direitos reservados. Não é permitida a reprodução deste conteúdo sem prévia autorização.