E-mail


Senha

Lembrar senha

   
Informe o e-mail usado para fazer o login


   



Pesquisa




Dia Mundial da Saúde Digestiva: especialista alerta sobre o câncer de estômago
Enviar release
Este release no seu Blog ou Site

Data celebrada em 29 de maio chama atenção para os sintomas de doenças gastrointestinais

Ao longo da vida, diversos problemas podem afetar o trato gastrointestinal. Um deles é o câncer gástrico ou câncer de estômago. Esse tipo de neoplasia é o terceiro que mais afeta os homens e o quinto mais comum entre as mulheres na faixa dos 60 aos 70 anos, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca).

A doença não tem sintomas específicos, e na maioria das vezes é assintomática nos estágios iniciais. Contudo, o câncer de estomago pode apresentar alguns sinais. Dentre eles: falta de apetite, perda de peso, dor abdominal, desconforto abdominal, azia ou indigestão, náuseas, inchaço no abdome e anemia. De 10% a 15% dos casos, apresentam vômito com sangue.

De acordo com a oncologista do Hospital do Câncer Anchieta, Dra. Janice Farias, apesar da comum ausência de sintomas, alguns perfis devem estar atentos para o surgimento da doença. “Etilismo, obesidade, tabagismo, lesões gástricas pré-câncer como metaplasia intestinal e gastrite atrófica, infecção não tratada pela bactéria helicobacter pylori, exposição ocupacional a agrotóxicos e a compostos químicos como benzeno e compostos de zinco, dieta pobre em vegetais e rica em sal e produtos defumados e herança genética, são alguns dos fatores de risco desse tipo de neoplasia”, explica a especialista. A oncologista ressalta que é necessário estudar a herança genética quando esse tipo de câncer acomete pessoas com menos de 40 anos.

Dados

O Inca estima o surgimento de 21.230 novos casos de câncer gástrico no Brasil em 2020. Desses, 13.360 entre homens e 7.870 em mulheres. Em 2015, das 14.314 pessoas mortas por esse tipo de neoplasia, mais de 9 mil eram homens.

De acordo com a oncologista alguns fatores podem justificar a prevalência da doença entre os homens. “É possível que o estrógeno, hormônio feminino, tenha um efeito protetor contra o câncer gástrico; depois da menopausa, a incidência de câncer gástrico pode aumentar entre as mulheres, mas com um atraso de 10 a 15 anos, em relação aos homens”, explica.

A diferença de hábitos entre os sexos também pode ter influencia sobre o número. “A diferença na dieta, hábitos do tagabagismo e etilismo, além da exposição ocupacional também podem contribuir para essa menor incidência entre as mulheres”, acrescenta.

Diagnóstico

De acordo com o médico radiologista do Anchieta Diagnósticos, Dr. Fernando Augusto de Albuquerque Mendes Filho, a endoscopia é o principal exame para o diagnóstico desse tipo de neoplasia. “O exame deve ser realizado por médico habilitado, com um aparelho que possui uma câmera em sua extremidade, possibilitando a análise anatômica e coleta de amostra para análise patolóliga e diagnóstico preciso”, explica.

Após o diagnóstico, podem ser feitos outros exames que verificam se a doença atingiu outros órgãos, ou se a terapia foi efetiva. Entre os mais comuns são a tomografia computadorizada, exame rápido, que utiliza feixe de raios-x para aquisição de imagens de diversas partes do corpo, dependendo da região de interesse; ressonância magnética, que diferentemente da tomografia, não utiliza radiação ionizante e possui excelente capacidade diagnóstica para diversas regiões do corpo, porém é um exame um pouco mais demorado e possui limitação em pacientes fóbicos.

O exame PET- CT também pode ser sugerido para a avaliação de extensão da doença e acompanhar a evolução do tratamento. “O exame une a tomografia computadorizada com uma imagem funcional de medicina nuclear, possibilitando a avaliação anatômica e funcional do corpo, detectando áreas metabolicamente hiperativas, como normalmente em lesões tumorais”, explica o médico.

Tratamento

O tratamento pode variar de acordo com o quadro da doença. Em situações em que o tumor está restrito ao estômago, a cirurgia é o tratamento mais indicado. Em casos mais severos pode haver a retirada de todo o estômago ou de parte dele. O tratamento é complementado com quimioterapia e radioterapia para aumentar as chances de cura e reduzir a possibilidade de reincidência da doença.

Quando o tumor é inoperável ou já atingiu outros órgãos pode ser feito um tratamento paliativo para amenizar os sintomas, aumentar o tempo de vida e melhorar a qualidade de vida desses pacientes. A escolha do tratamento pode variar de acordo com o quadro de saúde de cada paciente.

Editorias: Feminina  Masculino  Negócios  Saúde  
Tipo: Pauta  Data Publicação:
Fonte do release
Empresa: Imprensa Anchieta  
Contato: Imprensa Anchieta  
Telefone: --

Envie um e-mail para o(a) responsável pela notícia acima:
Seu nome

Seu e-mail

Mensagem

Digite o código mostrado abaixo

  
Skype:
MSN:
Twitter:
Facebook:
Eventos
Copyright 2008 - DIFUNDIR - Todos os direitos reservados. Não é permitida a reprodução deste conteúdo sem prévia autorização.