E-mail


Senha

Lembrar senha

   
Informe o e-mail usado para fazer o login


   



Pesquisa




Gestão privada de parques públicos pode representar riscos ocultos, diz especialista
Enviar release
Este release no seu Blog ou Site
O governo incluiu o Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses nos planos de gestão privada
O governo incluiu o Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses nos planos de gestão privada

O Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses, o Parque Nacional de Jericoacoara e o Parque Nacional do Iguaçu entraram na lista das unidades de conservação que o governo federal recomenda incluir no Programa Nacional de Desestatização (PND). A orientação reforça a tendência que vem se delineando no País e deve ganhar velocidade nos próximos anos.

A recomendação foi oficializada pelo Conselho do Programa de Parcerias de Investimentos em publicação recente no Diário Oficial. Para o Conselho, as concessões a gestores privados ampliam oportunidades de investimento e criação de emprego. A expectativa é que também melhorem a infraestrutura de serviços.

Um estudo feito pelo Ministério do Meio Ambiente em 2016 apontou que os 67 Parques Nacionais existentes no Brasil teriam potencial para movimentar de R$ 1,6 bilhão a R$ 1,8 bilhão por ano. A cifra poderia chegar a 2,2 bilhões quando consideradas unidades de conservação federais e estaduais.

Um ponto polêmico da abordagem relativa às unidades de conservação é o fato de que, no caso dos parques, é inevitavelmente esperado que a visitação gere lucro para a concessionária responsável pela gestão. Dessa forma, na prática, serviços de hospedagem e alimentação, lojas de souvenirs e comercialização de pacotes turísticos podem acabar sendo considerados ferramentas de gestão das unidades, revelando um potencial telhado de vidro no processo.

Para evitar fragilidades, o especialista em Direito do Estado Giuseppe Giamundo Neto, sócio do escritório Giamundo Neto Advogados, observa que é preciso construir marcos que definam com precisão as condições da contratação de serviços. “Mais que isso, que apontem para contrapartidas socioambientais bem-definidas e tangíveis. Com tal cautela, o Brasil tem condições de se tornar uma referência internacional. Ao contrário, negligenciar tal necessidade pode levar a muitos anos de ataques e a reais prejuízos à biodiversidade nacional”, pontua.

A ideia de transferir a gestão de parques para a iniciativa privada tem se disseminado não apenas no âmbito federal, mas também nas esferas estaduais e municipais. “Esse movimento se dá em um contexto de restrições orçamentárias do Poder Público, em que a busca por soluções alternativas e de novos modelos de administração passa a ser uma necessidade”, diz Giamundo Neto.

“Por meio de uma concessão comum ou PPP bem modelada, conforme o caso, o Estado é capaz de atrair investimentos, tecnologia e conhecimento especializado para prestar melhores serviços à sociedade. Porém, para que a concessão tenha sucesso, é fundamental que se invista no planejamento, mediante a realização de amplos estudos técnicos, econômico-financeiros e jurídicos, considerando as peculiaridades de cada projeto”, conclui o especialista.

Editorias: Economia  Jurídica  Negócios  Turismo  
Tipo: Pauta  Data Publicação:
Fonte do release
Empresa: Tatiana Diniz  
Contato: Tatiana Diniz  
Telefone: 11-953839717-

Envie um e-mail para o(a) responsável pela notícia acima:
Seu nome

Seu e-mail

Mensagem

Digite o código mostrado abaixo

  
Skype: tatiramone
MSN:
Twitter:
Facebook:
Tags
•  EDUCAÇÃO  •  CULTURA  •  SAÚDE  •  TECNOLOGIA  •  INTERNET  •  TI  

Mais tags
O que são tags ?

Copyright 2008 - DIFUNDIR - Todos os direitos reservados. Não é permitida a reprodução deste conteúdo sem prévia autorização.