E-mail


Senha

Lembrar senha

   
Informe o e-mail usado para fazer o login


   



Pesquisa




Fintechs individualizam consumidores e empresas ao conceder crédito
Enviar release
Este release no seu Blog ou Site

A avaliação da capacidade de pagamento é o primeiro passo no processo de concessão de crédito. Por meio dela, o tomador, seja consumidor ou empresa, tem sua vida financeira verificada pelas instituições. O objetivo é obter informações para que se possa chegar a uma conclusão sobre oferecer crédito ou não e em quais condições - destaque para os juros, que podem ser mais altos ou mais baixos. Quanto mais precisa essa análise, o que só pode ocorrer por meio da individualização, mais justo o processo, incluindo a decisão de conceder empréstimo ou financiamento, e, em caso de concessão, a taxa de juros definida na operação.

As fintechs têm como prática individualizar consumidores e empresas que desejam contratar crédito. De acordo com o presidente da ABCD (Associação Brasileira de Crédito Digital), Rafael Pereira, há duas etapas de avaliação para que o trabalho seja bem-sucedido. Na primeira, o perfil do cliente é considerado, ou seja, quem é a pessoa ou a empresa em termos financeiros, o que envolve, no caso da pessoa física, informações como idade, profissão e histórico de pagamentos.

Na segunda etapa, as fintechs desejam descobrir o propósito do empréstimo. A operação será contratada pelo interessado para quê? No financiamento, essa resposta é mais fácil de ser obtida, já que o consumidor costuma utilizar o dinheiro para financiar carro ou imóvel. No empréstimo, os motivos variam bastante. Há quem tenha um propósito construtivo, como o pagamento de uma pós-graduação, porque pretende no futuro ganhar mais no seu emprego. Também há quem recorra ao empréstimo para continuar consumindo de forma errada, sem planejamento, mergulhando assim em uma espiral de dívida sem fim.

A avaliação de crédito busca entender essas particularidades, o que só é possível com o cruzamento das informações obtidas nas duas etapas descritas. “Se o consumidor está no cheque especial ou no rotativo do cartão, informação essa colhida na primeira etapa, e está pegando mais empréstimo para viajar, intenção descoberta na segunda etapa, está claro que ele vai se enrolar mais”, diz Pereira. “Mas se está nessa mesma situação pretende contratar empréstimo para consolidar isso tudo e pagar o débito com taxa menor, aí temos outra situação completamente diferente”, complementa.

Ainda de acordo com Pereira, a mudança na legislação do Cadastro Positivo contribuirá com a avaliação de crédito. “Os bancos detêm o monopólio da informação financeira dos seus correntistas. No novo CP, as informações creditícias estarão disponíveis para todos e poderão ser consultadas pelas fintechs, que terão mais insumos para fazer a análise do perfil do cliente”, afirma.

Nesse modelo do CP, que inclui automaticamente as pessoas físicas e jurídicas, o histórico de pagamentos poderá ser usado por cada consumidor e empresa para obter crédito em condições vantajosas – a juros menores. Ainda que o consumidor ou a empresa tenha atrasado alguma conta, poderá mostrar para o mercado que todas as outras foram e estão sendo pagas.

Editorias: Economia  Negócios  Política  
Tipo: Pauta  Data Publicação:
Fonte do release
Empresa: Pimenta Comunicação  
Contato: Alex Nicolau  
Telefone: 011-2858-9192-

Envie um e-mail para o(a) responsável pela notícia acima:
Seu nome

Seu e-mail

Mensagem

Digite o código mostrado abaixo

  
Skype:
MSN:
Twitter:
Facebook:
Eventos
Copyright 2008 - DIFUNDIR - Todos os direitos reservados. Não é permitida a reprodução deste conteúdo sem prévia autorização.